Faça Economia • OEconomista

Autor: O Economista – 30 de setembro de 2006

Cada vez mais as pessoas estão com dificuldades financeiras e, várias podem ser a as causas. Todos os aspectos que compõe o perfil de consumo do indivíduo, bem como suas necessidades e anseios poderão ser auto corrigidos, desde que o leitor siga alguns exemplos e dicas aqui sugeridas.

A primeira providência para quem quer gastar dinheiro é ganhar dinheiro. Não adianta querer gastar somente fazendo dívidas e obedecendo a impulsos de consumo.

Há somente duas maneiras de ganhar dinheiro: aumentando a receita, ou então, organizando e reduzindo as despesas. Deixar de perder dinheiro é uma forma rápida de se ter mais dinheiro.

Portanto, se a necessidade do momento é ter mais dinheiro no bolso, não há outra alternativa a não ser colocar seus gastos e receitas na ponta do lápis e organizar seu orçamento familiar.

Colocando no papel, fica mais fácil controlar os gastos, saber para onde está indo o dinheiro, quanto e no que na realidade, pode-se economizar.

O primeiro passo a tomar é anotar todas as receitas e despesas, e para isso devemos utilizar uma caderneta, onde tudo deverá ser anotado,de preferência todos os dias para que nada caia no esquecimento. Também é importante pedir nota de tudo que se compra, guardando-as, bem como os cupons de supermercados.

É na hora de sair para fazer as compras que o comportamento do consumidor pode se desvirtuar da realidade, pois cada indivíduo age conforme seus impulsos, que na maioria das vezes, lhe foram passados através do processo de aprendizado e também pelo envolvimento sócio atual, como diz o popular ditado, “Temos o olho maior que a barriga”.

No supermercado: Antes de sair de casa faça uma lista de tudo o que está precisando, e no mercado, procure comprar somente o que estiver na lista, assim poderá evitar as tentações que irão surgir.

Não vá ao supermercado com fome, porque poderá ser uma experiência desastrosa para o seu bolso, porque conforme a teoria das necessidades, nesta ocasião, passamos a dar mais importância a necessidade momentânea, fazendo com que compremos mais.

Evite também levar crianças as compras, porque, costumeiramente, fazem escândalos na tentativa de convencer os pais a comprar o que querem, e diante de tamanha choradeira não há como negar.

Não faça compras no dia do pagamento, ou em datas muito próximas ao pagamento, pois a sensação nestes dias é a de que temos mais dinheiro do que na realidade dispomos. Não fazemos antecipadamente os cálculos para saber realmente o quanto podemos gastar.

Indo o casal ao supermercado, os desejos e necessidades são em dobro, e normalmente um do casal é mais impulsivo do que o outro para comprar.

Nas lojas: Quando planejar alguma compra, pare e pergunte se você está realmente precisando daquele produto. Se a resposta for sim, pesquise muito bem os preços antes de comprar. Só compre o que precisar realmente, e principalmente o que estiver dentro das reais condições de seu orçamento.

Cuidado com os cheques pré-datados, eles dão a sensação de que não estamos gastando nada, porém no dia de sua apresentação ao banco darão mesmo é uma grande dor de cabeça. Além do mais, muitas vezes estão embutidos juros muito altos. O cheque é um documento á vista, não importando a data combinada, o que pode causar um transtorno se este for apresentado antes da data prevista, a qual é apenas um acordo informal com a loja onde foi passado.

Nem pense, nem mesmo quando já está com a forca no pescoço, em recorrer ao limite do cheque especial, ao limite do cartão de crédito ou até a um dos famosos agiotas, pois os juros cobrados são verdadeiramente suicidas, e que, na melhor das hipóteses, arruinarão o pouco que ainda lhe resta. Procure sempre alternativas que estejam de acordo com suas reais capacidades momentâneas e futuras.

Efetuar compras com cartão de crédito pode ser prático, mas cuidado, a sensação é a mesma dos cheques pré-datados, e ainda tem um agravante, pois se no dia do vencimento não tiver o dinheiro para pagar o total da fatura, poderá pagar apenas o valor mínimo, deixando o restante no rotativo, para a alegria da administradora. Se vier a atrasar o pagamento então, as administradoras terão um verdadeiro orgasmo.

Para optar entre comprar um produto à vista ou à prazo, lembre-se, no Brasil a taxa de juros reais , é uma das mais elevadas do mundo, e a compra a prazo deverá ser utilizada somente em casos extremos, ou então, aproveitando-se uma promoção. Faça sempre os cálculos e lembre-se quanto maior o prazo, maior as chances de se pagar juros elevados.

Uma boa alternativa para adquirir bens, sejam eletrodomésticos, louças, automóveis, etc, sem pagar juros, continuam sendo os consórcios. Neste caso é necessário que se programe antecipadamente os produtos que irá precisar no futuro, e para tanto se utilize dos prazos de depreciação destes bens.

Prof. MSc Ademir José Demétrio

Notícia Relacionada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *